RESENHA | HEX, de Thomas Olde Heuvelt

HEX poderia ter sido escrito por Stephen King e não consigo pensar em um elogio maior a essa obra.

Uma história bem pensada e que é ainda mais arrepiante por sua visão intransigente da humanidade, visão esta, que não apenas desafia o leitor a enxergar dessa forma, mas o faz de maneira tão interessante que se começa a perguntar o que mais não se conhece sobre a natureza humana.

Sinopse

Quem nasceu aqui está condenado a ficar até a morte. Quem quer que se estabeleça, nunca sai.”

HEX avança a ideia de que devido a uma maldição muito especifica que remonta ao século 17, a cidade inteira voluntariamente concordou com uma exclusão completa da mídia, incluindo internet.

Exclusão esta, que é reforçada através do uso de equipamentos de vigilância de alta tecnologia, tudo a fim de manter a existência da Black Rock Witch esquecida do restante do mundo. Os anciãos de Black Spring praticamente colocaram a cidade em quarentena.

O raciocínio por trás desse comportamento estranho é simples: é uma questão de sobrevivência. Katherine, a Bruxa Black Rock, está encadeada, com os olhos e a boca costurados e, aparece aleatoriamente ao redor da cidade.

Um dia, ela pode estar na praça da cidade, ou ter sua próxima parada em um quarto, ela anda pelas ruas e entra em suas casas à vontade. Ela fica ao lado de sua cama por noites a fio. Todo mundo sabe que seus olhos nunca podem ser abertos e, embora os moradores não estejam exatamente confortáveis com sua existência, eles a aceitam como parte do seu dia a dia.

Deixar a cidade para escapar desse fenômeno é impossível, já que qualquer um que tentar fugir, ou mesmo passar mais de uma semana longe da cidade, começa a ter pensamentos suicidas, e a última tentativa oficial de várias décadas para estudar Katherine e tentar acabar com a maldição acabou muito mal para todos os envolvidos.

Como resultado, os moradores de Black Spring estão muito interessados em não alertar o mundo exterior sobre sua existência, já que qualquer tentativa de interferir em sua desconfortável convivência com Katherine pode literalmente ser fatal.

No entanto, (como sempre há), um grupo de adolescentes decidiu que eles querem expandir os limites de sua existência fechada e criaram um site chamado Open Your Eyes, que narra a bruxa em uma série de weblogs, uma espécie de diário digital, e videoclipes.

Criado por Tyler Grant, a existência do site é conhecida apenas por cinco adolescentes e nunca é acessada de dentro do Black Spring devido aos impressionantes protocolos de segurança mantidos pelo membro do conselho Robert Grim, que embora não seja exatamente apaixonado pela maneira fastidiosa que a cidade adere aos costumes antigos, respeita a necessidade deles e relutantemente ajuda a reforçá-los.

Inevitavelmente, um dos adolescentes, Jaydon Holst, vai longe demais e a incômoda trégua entre Katherine e a cidade se estende a ponto de ruptura, e aqui reside o cerne da história de Heuvelt.

Embora efetivamente existam em uma prisão de alta tecnologia de sua própria autoria, à medida que os eventos começam a espiralar fora de controle, os habitantes da cidade sucumbem à natureza humana e os comprimentos que levam para preservar seu segredo e consertar o dano é uma acusação arrepiante. E chegamos a uma sociedade vista através do prisma dos antigos costumes.

Ponderações

Quando pude ver o quadro em sua totalidade ao acabar a leitura, imaginei que os animais selvagens deviam sentir o mesmo tipo de medo incontrolável quando inalaram pela primeira vez o ar enfumaçado de um incêndio florestal.

As pessoas acham esperança, conforto ou confiança em fazer o sinal da cruz ou não andar debaixo de uma escada, assim como você encontra esperança e confiança em oferecer uma prenda para a bruxa. Magia existe nas mentes daqueles que acreditam nela, não em sua real influência na realidade.

Os paralelos com King vão além do ambiente da pequena cidade, com HEX se sentindo como um parente distante de Needful Things (Trocas Macabras), enquanto um evento leva a outro e Black Spring começa a se desfazer em três atos. Ocorrem eventos que são repulsivos, horríveis e desconfortavelmente familiares a partir das notícias e, enquanto os dois primeiros atos são implacáveis em aumentar o medo e a tensão em torno de Katherine, o terceiro ato se torna uma terrível descida à natureza humana que obriga o leitor a continuar girando páginas, como ser amarrado em um carro desgovernado sem freios descendo uma encosta íngreme da montanha.

A premissa de bruxas e maldições não é novidade, é claro, mas ao enxertar esses tropos familiares no mundo moderno da vigilância e das mídias sociais, Heuvelt criou um híbrido original que pode se tornar um clássico moderno. HEX é uma obra sombria, às vezes tensa e perturbadora, mas nunca menos que cativante, e atrairá o leitor, assegurando que, como os residentes de Black Spring, eles sejam incapazes de se afastar até o fim sombriamente satisfatório.

Em Black Spring eles sabiam que necessidades desesperadas levavam a atos desesperados.

Este livro foi tão bizarro, mas tão atrativo que eu quase me senti como se estivesse assistindo a cidade também, como a bruxa. Ele manteve meu interesse, e fiquei apenas esperando que algo ruim acontecesse. Dava para perceber que estava chegando.

Sobre o autor

O romancista holandês THOMAS OLDE HEUVELT (1983) é autor de cinco romances e muitas histórias curtas. Seu trabalho apareceu em muitos idiomas, incluindo inglês, chinês, japonês, italiano e francês. Em 2015, sua história “O dia em que o mundo virou de cabeça para baixo” foi o primeiro trabalho traduzido a ganhar um prêmio Hugo. Mais duas de suas histórias foram nomeadas para os prêmios Hugo e World Fantasy Awards.

Em 2016, o aclamado romance HEX, se tornou um best-seller na Holanda, e foi lançado em todo o mundo (nos EUA pela MacMillan / Tor e no Reino Unido pela Hodder & Stoughton) no Brasil pela Darkside.

2 comentários sobre “RESENHA | HEX, de Thomas Olde Heuvelt

  1. A Jackelline arrasa na arte de resenhar. Só fui ver o nome depois, mas reconheci de longe o estilo. Ela não explora apenas a trama, mas todos os fatores propostos pela narrativa. E faz isso com maestria, de uma maneira instigante. Mais um livro para a minha lista de leitura.

    Curtido por 2 pessoas

  2. Amei a resenha. Eu já recebi indicação para ler esse livro umas 5 vezes. Tá na minha listinha de desejados para comprar. Uma resenha muito bem construída. Parabéns, Jackzinha, pelo excelente trabalho! Bjos da Gi do Instagram. ❤

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s