Crítica | Judy-Muito Além do Arco-Íris: um filme que sem conhecimento prévio soa superficial

” Eu só quero o que todo mundo quer, mas pra mim parece mais difícil de conseguir.” (Judy Garland)

Baseado na peça musical End Of The Rainbow do inglês Peter Quilter, o filme acompanha os últimos meses de vida da atriz, cantora e bailarina americana Judy Garland antes de morrer por overdose de barbitúricos aos 47 anos de idade. Intercalado com flashbacks de sua adolescência nos bastidores de gravação do clássico O Mágico de Oz de 1939, vemos uma Judy desgastada, enfrentando uma fase de decadência tanto pessoal quanto profissional. 

O longa aborda a perda da guarda dos filhos para o ex marido Sidney Luft, a esperança de recuperá-la, os problemas financeiros, a fracassada turnê de Londres onde ela foi vaiada pelo público devido aos atrasos e postura irresponsável no palco, o abuso de álcool e medicação e, seu quinto e último casamento com Mickey Deans.

Através dos flashbacks podemos entender a origem dos vícios da artista e descobrir o verdadeiro culpado, isto é, a indústria do entretenimento representada pela MGM (Metro Goldwyn Mayer). Desde seus 13 anos Judy era obrigada pela produção, por ordem do presidente da empresa Louis B.Meyer, a tomar medicamentos para inibir o apetite, emagrecer e se manter mais tempo acordada a fim de trabalhar mais horas por dia. 

Como era uma garota comum, com medidas comuns, a taxavam de gorda e, por causa disso, não a deixavam nem ao menos comer. Louis repetia o tempo todo que sem ele ela seria apenas mais uma garota caipira de Minesotta, de pernas grossas e dente torto, reforçando o quanto a intérprete de Dorothy foi explorada e abusada fisicamente, psicologicamente e emocionalmente desde cedo. 

Nesse aspecto é interessante notar a diferenciação que era feita entre meninos e meninas dentro dos estúdios cinematográficos e como isso ainda pode visto hoje em dia só que de uma maneira mais sutil e velada. Enquanto seu parceiro de cena podia comer o quanto quisesse e ainda era fotografado assim, Judy tinha seu peso controlado por todos. 

 

Apesar do talento do elenco (não só de Renée Zellweger, mas também de Jessie Buckey que vive a assistente de Judy, Rosalyn, e da atriz mirim Darci Shaw que deu vida à estrela na juventude), o filme é fraco. Pra quem for assistir com muita expectativa vai se decepcionar. Como foca nos momentos finais da carreira de Judy, muitos detalhes de sua trajetória são ocultados.

Não explora a relação dela com os pais, o assédio de Louis Meyer que é tão comentado pela mídia e, nem como foi sua morte. Talvez esse último fator não tenha sido mostrado propositalmente para não chocar o público ou para o filme terminar de forma leve, positiva e esperançosa, fazendo as pessoas saírem do cinema com uma imagem alegre e divertida de Judy Garland. Assim, lembrando dela em sua melhor forma; no palco fazendo o que ela mais gostava de fazer: se expressar artisticamente. 

Em relação aos pais da artista, só tem duas cenas que eles são mencionados, mas mesmo assim, muito rapidamente e de forma negativa. Na cena que o presidente da MGM diz que o pai dela era “bicha” e que a mãe acha que o melhor pra filha era o que ele próprio determinava como melhor e, na discussão com o ex marido sobre a guarda dos filhos na qual ela diz que sabe o que é ser uma péssima mãe por ter tido uma. Essas falas nos fazem ficar curioso sobre a família dela, mas ficam por isso mesmo já que o filme não nos entrega mais do que isso. 

Dessa forma, pode-se dizer que Judy- Muito Além do Arco-Íris é um filme que é melhor apreciado se o espectador tiver conhecimento prévio sobre a história de vida de Judy. Para quem não sabe nada e quiser assistir justamente para conhecer, vai ficar um pouco frustrado, pois muitos momentos importantes foram deixados de lado preferindo retratar apenas fatos específicos. 

Contudo, apesar de suas “falhas”, a cinebiografia de Judy consegue deixar bem claro que independente do que ela sofreu nas mãos da mídia, empresários e toda a indústria televisiva, ela realmente amava cantar, dançar e atuar. Odiava o que era obrigada a se submeter para estar ali, mas era totalmente apaixonada por exercer seus dons artísticos. E isso fica claro na cena que mostra que enquanto seu parceiro de palco só quer fazer seu trabalho e ir embora (como aquele funcionário que só bate cartão), ela quer continuar ali apreciando a emoção do espetáculo. 

Judy Garland cantando Somewhere Over The Rainbow, na pele de Dorothy do Mágico de Oz, em 1939.

Renée Zelweger já ganhou o Globo de Ouro, o Critics Choice Awards, o British Independent Film Award e o prêmio do sindicato dos atores por sua atuação como Judy Garland. Agora só falta nossa eterna Bridget Jones ser reconhecida no Oscar também. Já estamos na torcida! 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s