3 X vezes Mãe – Três diálogos de perdas e afeições

Qual é o sentimento dominante que se instaura na recepção do universo materno quando os seus rebentos lhes contam que são gays? Pois bem: três espetáculos que estão em cartaz nos palcos cariocas, abordam essa questão na cena contemporânea, dois deles com pegadas documentais e que apontam a problemática desse drama como intercessão em suas respectivas dramaturgias.

Mães que enfrentam com dificuldades as adversidades e as circunstâncias da orientação sexual de seus filhos com direito a todos os entraves das dores e delícia de ter e ser o que se é.

São eles os espetáculos: Eu Sempre Soube, com texto e Direção de Márcio Azevedo. O Marido de Daniel, texto de Daniel Michel Mickeever e Direção de Gilberto Gawronski e A Golondrina, texto de Guillem Clua e Direção de Gabriel Fontes.
Os três conflitos que costuram os espetáculos em questão são produzidos nessa fricção de amor versus preconceito, perdas e muito mais (…).

EU SEMPRE SOUBE
Eu Sempre Soube– Rosana Goffaman

No primeiro espetáculo, Eu Sempre Soube, um monólogo estrelado por Rosana Goffman, uma mãe jornalista lança um livro sobre o amor de mãe e, aos poucos, dá vida a mães de gays, lésbicas e transgêneros.

O segundo espetáculo, O Marido de Daniel, Dedina Bernardelli interpreta a mãe de um jovem renomado arquiteto gay que torce pelo casamento do seu filho com o seu suposto futuro genro, mas que possui uma relação de afeto bastante difícil com seu filho, com problemas crônicos desde que moravam ainda juntos.

o marido de dniel 2
O Marido de Daniel– Dedina Bernardelli com Bruno Cabrerizo e Ciro Sales

O terceiro espetáculo, A Golondrina, Tania Bondenzan, interpreta uma mãe que fica sabendo da homossexualidade de seu filho, justamente no mesmo dia em que seu filho fora assinado nos ataques homofóbicos à boate gay Pulse, em Orlando, no dia 12 de junho de 2016, próximo à comemoração do Orgulho LGBT+ na cidade. Pelo menos 50 pessoas foram mortas naquela noite e 53 ficaram gravemente feridas.

a golondrina teatro
A Golondrina– Tania Bondenzan e Luciano Andrey

O que chama bastante atenção nas semelhanças entre os três espetáculos é que o primeiro grande enfrentamento de um gay, depois de sua homossexualidade, parece ser o enfrentamento dessa homossexualidade com suas respectivas mães.

Esse desconforto tende a determinar toda a construção social e emocional daquele que até então parece ser um grande problema e que com o passar do tempo, pode ser diluído ou não, podendo inclusive ser responsável por vários transtornos emocionais nessa relação mãe e filho.

O atrito é difícil nessa dicotomia mãe e filho nas três dramaturgias supracitadas, porque a tragédia, se abate sobre essas mães que forçosamente são obrigadas a experimentar um exercício de alteridade radical a partir dessas perdas e tendo que ler o mundo pela perspectiva desse filho gay.

A mãe de Eu Sempre Soube, por exemplo, perde seu filho para a AIDS. A mãe de O Marido de Daniel não tem o seu filho morto, mas o mesmo sofre uma espécie de AVC que o mantém em estágio vegetativo. A mãe de A Golondrina tem seu filho assassinato, portanto perde seu filho para a intolerância e o ódio aos gays.

Todas as três mães curiosamente são levadas a repensar suas relações e, sobretudo, repensar o seu amor antes e depois que as tragédias as abateram.

As mães do Rio de Janeiro bem que podiam aproveitar o verão carioca para entender e estender esse contexto desse drama social e familiar, junto a tantas outras mães que vivem essa situação em casa, ou mesmo para aquelas que não vivem essa situação em casa.

Fica a dica e o alerta que o amor é mais importante que a dor e o preconceito que ajudam a minar e produzir tanto sofrimento nessa relação tão orgânica.

 

Em Sempre SoubeVolta em cartaz em breve
O Marido de Daniel Teatro Petra Gold
A GolondrinaTeatro SESC Ginástico


 

ARTIGO DE AYRES FILHO

Ator, Bacharel em Artes Cênicas com Habilitação em Teoria do Teatro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s